Tremembé – 10/Nov/2017

      Para diferenciar o bairro do Tremembé da cidade homônima no Vale do Paraíba, duas medidas históricas foram tomadas:  a estação do Trenzinho da Cantareira, na atual praça Dona Mariquinha Sciascia, se escrevia com um “i” no final: no alto da estação estava gravado “Tremembeí”.  Outro dado é que o bairro era conhecido como “Tremembé da Cantareira”, como constava da correspondência do Instituto Florestal, cuja sede fica no Horto Florestal.  Essas são algumas curiosidades do Tremembé, o 4º maior distrito da cidade de São Paulo, que está completando 127 anos.

  

Judô do CAT – Clube Atlético Tremembé em desfile cívico no bairro em 2007.Judô do CAT – Clube Atlético Tremembé em desfile cívico no bairro em 2007.

 

ESTUDO – Na década de 1990 o Lions Clube Tremembé realizou um estudo, através de Manoel Vieira da Luz e companheiros, concluindo que o ano de 1890 marcou o surgimento do bairro do Tremembé, com a chegada dos primeiros moradores das chácaras, de origem italiana, portuguesa e espanhola.   Mais tarde ficou definido o dia 10 de Novembro como a data oficial do bairro.  O Tremembé comemora 127 anos de existência, enquanto que a  igreja São Pedro de Tremembé completa 91 anos em 1º de Dezembro. 

 

Igreja do Tremembé na época de sua fundação, em 1926.Igreja do Tremembé na época de sua fundação, em 1926.

 

HISTÓRICO –  O ano de 1890 marcou a chegada das primeiras famílias ao Tremembé, ocupando glebas extraídas da fazenda de Pedro Vicente de Azevedo e Maria Amália Lopes de Azevedo, criando sítios e chácaras.  Logo depois a ocupação da região ficou facilitada, com a inauguração em 1893 do Tramway da Cantareira, o famoso trenzinho.  Mas o crescimento populacional da região só deslanchou com a fundação da Companhia Villa Albertina de Terrenos, em 1912, que começou a  lotear as glebas em terrenos menores, com configuração urbana.  É onde hoje está o bairro do Jardim Floresta e parte da Vila Albertina, próximo à rua Conchília.

 

Igreja de São Pedro do Tremembé no passado.Igreja de São Pedro do Tremembé no passado. Igreja com as cores atuais.Igreja com as cores atuais.

 

IGREJA –  A construção da igreja do bairro começou em 1914.  O veterano morador Renato Franco, cujo pai João Franco trabalhava na Cia Villa Albertina de Terrenos, contou que São Pedro foi escolhido como o santo patrono do bairro em homenagem ao seu fundador, falecido em 1912, Pedro Vicente de Azevedo.  Mas a construção demorou e a paróquia de São Pedro de Tremembé foi fundada só em 1º/12/1926.  No livro-tombo da igreja consta que o primeiro casamento se deu 21/05/1927, unindo  Paschoal Pugliesi e Assunta Camarini.

 

A tradição do Tremembé: desfile do Dia da Independência, em 2007.A tradição do Tremembé: desfile do Dia da Independência, em 2007.

 

GEOGRAFIA – O Tremembé tem um relevo incomum: ele se localiza em um vale bem pronunciado, separado – até hoje – da mancha urbana da cidade pela mata da Invernada da Polícia Militar.   Essa posição privilegiada retardou a chegada de muitas moradias e prédios, e,  aliada à proximidade da serra da Cantareira, fez com que muitos europeus viessem morar na região, de 1930 até 1970.  O clima mais ameno da região atraía os estrangeiros, por isso durante várias décadas o Tremembé abrigou uma expressiva colônia de alemães e de outras nacionalidades do Leste europeu.  No fundo do vale passa o córrego que dá nome ao bairro.  Na língua tupi Tremembé significa “terra encharcada, pântano”.  Isso possivelmente se refere às águas que ficavam empoçadas, após as inundações do córrego Tremembé.  Até hoje os moradores de diversos trechos do Tremembé sofrem com as severas inundações causadas pelo córrego.

 

Vista da Vila Irmãos Arnoni, em direção ao Horto Florestal.Vista da Vila Irmãos Arnoni, em direção ao Horto Florestal.

 

Minudências:
@ A antiga casa da fazendo dos Vicente de Azevedo ficava muito possivelmente na esquina das atuais rua Maria Amália Lopes de Azevedo e av. Nova Cantareira.  Por isso até hoje a região é chamada de “fazendinha”.
@ A estação Tremembé era a penúltima da linha do trenzinho.  A última estação era a estação Cantareira, localizada onde hoje está o Clube de Funcionários da Sabesp, na Vila Rosa.
@ A estação Tremembé ficava na atual praça dona Mariquinha Sciacia.
@ Essa linha de trem funcionou de 1893 até 1969.  A estação Cantareira é a última remanescente da linha, localizada dentro do Clube da Sabesp.
@ Até 1957 a atual rua Maria Amália Lopes de Azevedo tinha outro nome.  Chamava-se av. Dr. Pedro Vicente.  É um caso talvez único na cidade, da mudança de nome de uma rua, que era nome do marido e depois virou o nome da esposa.
@ Para quem não entende, existem três “Tremembés”: o bairro do Tremembé, que vai da av. Nova Cantareira até a praça Dona Mariquinha Sciacia.  A região do Tremembé, que inclui bairros como Vila Rosa, Vila Marieta e Vila Albertina. E o distrito do Tremembé, o 4º maior entre os 96 distritos da cidade, que inclui a região da av. Coronel Sezefredo Fagundes, entre outras.
@ Apenas os distritos Engenheiro Marsilac, Parelheiros e Grajaú são maiores que o Tremembé, em área, entre os 96 distritos da cidade.
@ Foram escritos dois livros sobre o bairro:  São Paulo Tramway Tremembé volumes I e II. O volume II ainda se encontra à venda na Revistaria Tremembé, junto à praça dona Mariquinha Sciascia, também conhecido como Larguinho do Tremembé.

 

Prédio histórico no bairro, que abriga hoje a Casa de Cultura Tremembé.Prédio histórico no bairro, que abriga hoje a Casa de Cultura Tremembé.

# Matéria com o apoio de Pattini Seguros, PBF Tremembé e Tecnolamp

Postar comentário

0
  • Nenhum comentário encontrado